Taís Araújo fala sobre o mito da Meritocracia no Brasil

afro
Em comemoração aos 15 anos de fundação, a Afrosan lança um logotipo especial.
fevereiro 7, 2017
Jpeg
Por que temos tantos analfabetos no Brasil?
março 2, 2017
Taís Araújo

MeritocraciaPor Taís AraúTaís Araújojo

A ideologia da “meritocracia” acredita que se você se esforçar bastante vai conseguir as mesmas coisas que os outros. Na teoria é lindo, mas na prática… A ideia de ir cada vez mais longe devido aos méritos não se aplica a realidade brasileira por um motivo muito simples: não há condições igualitárias de acesso a esses “méritos”. Entende-se como mérito: estudo, trabalho e demais conquistas pessoais. O Brasil é um dos países mais desiguais do mundo. O acesso à educação, distribuição de renda e outros fatores que influenciam diretamente na meritocracia é absurdamente desproporcional. Não temos como medir a vida de todos pela mesma régua. Enquanto uma pessoa tem acesso desde cedo a coisas básicas como cultura, saneamento, conforto, alimentação, lazer, esporte e inúmeras variantes que interferem diretamente no conhecimento e qualidade de vida, há uma enorme parcela da nossa sociedade que luta diariamente para sobreviver. Como podemos falar em meritocracia nestas condições? Óbvio que veremos alguns raros exemplos de pessoas que deram o sangue pra chegar lá, mas elas nunca competem em condições de igualdade. Por isso elas ganham destaque. Por que são exceções. E as exceções só servem para confirmar a regra. Todo mundo conhece uma história de alguém que “chegou lá” apesar das adversidades. Uma história dentre milhares de outras que não tiveram o mesmo desfecho. E quem pode definir quem merece ou não “chegar lá”? Esse é um sistema que mantém privilégios àqueles que já nasceram privilegiados. Quando falamos de meritocracia pura e simples, sem avaliar as condições sociais de cada indivíduo, sepultamos a empatia e exercitamos a indiferença. Olhe ao seu redor, veja se todos têm ou tiveram condições iguais de estar onde você chegou. Agora pense nisso num país de 200 milhões de pessoas. Há igualdade de condições? Convido vocês a essa reflexão.

Texto extraído na íntegra do Facebook da atriz Taís Araújo @taisdeverdade